Cheque Moradia

Cheque Moradia (183)

A entrega do Programa Cheque Moradia realizada na manhã desta sexta feira, 03, no prédio da Secretaria Municipal de Educação do município de Ananindeua, foi mais que festiva para a diarista Ana Lúcia Guimarães Costa, uma das 74 beneficiadas com o programa habitacional, coordenado pela Companhia de Habitação do Pará -Cohab.

Ana Lúcia disse que até chorou de felicidade quando recebeu a comunicação para participar da cerimônia de entrega do Cheque Moradia. Para ela, ser contemplada tem um sigificado a mais. É que há cerca de dois meses parte de sua casa desabou, e após vistoria do Corpo de Bombeiros, foi constatado risco de desabamentodo que sobrou de sua residência. "Na hora que a cozinha desabou estavam o meu esposo e meus dois filhos. A parede caiu e meu esposo se machucou. O Corpo de Bombeiros foi lá e condenaram a casa que está toda rachada", revelou.

"Esse Cheque Moradia representa a reconstrução da minha casa. Vou ter agora uma moradia digna, porque é importante a gente ter uma casa com conforto pra nossa família e isso graças ao esforço da prefeitura e da Cohab", finalizou.

A cerimônia de entrega foi prestigiada por diversas lideranças políticas locais, além de secretários municipais e do prefeito do município Manoel Pioneiro, assim como da titular da Cohab, Lene Farinha. Segundo o gestor municipal "ao criar esse programa, o governo do Estado se preocupou exclusivamente com a redução das desigualdades sociais".

Pioneiro destacou a importância da parceria com o governo estadual com as ações voltadas para a área da habitação. "Conseguimos aumentar a quantidade de casas contratadas por meio do Programa Minha Casa Minha Vida em nosso município e vamos também priorizar as ações de Regularização Fundiária e com isso fazer com que a população possa melhorar sua condição de moradia", declarou.

O investimento aplicado na entrega desta sexta feira totaliza R$ 956 mil, sendo que boa parte das famílias foi contemplada com nova construção.

A Cohab , por meio do Programa Cheque Moradia visa dar atendimento prioritário aos deficientes físicos, idosos, mães mantenedoras do lar, além de portadores de doenças degenerativas.

Rosa Borges

Numa cerimônia realizada no galpão das pastorais da Igreja Católica, 49 famílias do município de Mãe do Rio, estiveram reunidas na manhã desta quinta-feira, 25, para receber a primeira etapa do Cheque Moradia, benefício habitacional do programa coordenado pela Companhia de Habitação do Pará.

Todas as lideranças políticas presentes destacaram os grandes avanços e o alcance que tem hoje o Programa Cheque Moradia, obtidos ao longo de doze anos. "O governo do Estado pensou em vocês, que fazem parte da população mais carente, quando criou esse programa, tornando realidade o sonho que todos têm de obter a casa própria", destacou a representante da Cohab. "Além disso, ao transformar o programa em lei, o governo assegurou a continuidade do Cheque Moradia para atender o maior número de famílias, independente de quem assuma o governo estadual", finalizou.

Adeir Oliveira foi um dos contemplados. Ele está desempregado e mora com a esposa e dois filhos. O beneficiado disse que nunca perdeu as esperanças de receber a ajuda do Governo do Estado para concluir sua casa, que necessita de reforma e alguns acabamentos, como piso e reboco. "Muita gente dizia que era pra eu desistir, que isso não viria nunca. Mas eu nunca deixei de acreditar. Hoje eu tô muito feliz. O Cheque Moradia veio pra melhorar a nossa vida", declarou.

Após a cerimônia, as famílias assinaram seus contratos e o receberam o talonario do Cheque Moradia, além das orientações da equipe técnica da Cohab sobre os procedimentos para uso adequado do benefício, assim como tiveram oportunidade de fazer perguntas e tirar todas as dúvidas.

 Rosa Borges

Trinta e três famílias dos municípios de Primavera e Quatipuru, no nordeste do Pará, receberam o Cheque Moradia no último fim de semana. A Companhia de Habitação do Pará (Cohab) colabora, assim, para o aumento da qualidade de vida dos atendidos, que antes estavam em situação de vulnerabilidade social.
Em Primavera, foram atendidas 19 famílias, que após cumprirem as etapas se tornaram aptas a receber a segunda parcela do benefício, e hoje podem usufruir de mais conforto nas habitações. Algumas delas contaram com a generosidade de um servidor municipal, que aos sábados reúne uma equipe de amigos e faz o trabalho de construção para famílias que não têm como pagar mão de obra.

Paulo Sérgio Silva é encarregado de obras da Secretaria Municipal de Saúde, mas coloca seu conhecimento como mestre de obras para ajudar os mais carentes de graça. Graças a ele, mais de 20 famílias beneficiadas com o Cheque Moradia puderam erguer suas casas. "O que a gente faz para os outros, Deus dá de volta para nós", acredita. Ele diz ter aprendido o que sabe com um tio que era encarregado de obras. "Comecei com 14 anos a trabalhar com meu tio, e aos 17 já dava conta de erguer uma casa. Agora os meus sábados são para ajudar o próximo", disse.

Entre as pessoas que receberam a ajuda está a dona de casa Maria Creuza, que morava numa casa de barro, de chão batido, e hoje desfruta de mais conforto e se sente realizada por ter um teto digno. Zuleide Reis também teve a colaboração de Paulo Sérgio. "Estávamos só esperando sair a segunda etapa do Cheque Moradia pra concluir nossa casa", frisou.

Participaram da entrega do Cheque Moradia em Primavera vereadores e secretários municipais e o vice-prefeito Waldenor Reis. Para a gestora municipal de Primavera, Cleuma Maria Oliveira, o Cheque Moradia possibilita uma mudança radical na vida dos beneficiados. "É um programa que muda a vida das pessoas, pois possibilita não só a construção de uma nova casa, mas também a condição de elevar o padrão de vida dessas pessoas e a autoestima", afirmou.

Em Quatipuru 14 famílias receberam a segunda etapa do benefício. Entre as pessoas atendidas, está Maria de Nazaré Pereira, cuja casa, que era de barro, desabou em novembro do ano passado. Após dez dias do sinistro, ela recebeu o Cheque Moradia para reconstruir a residência. Graças ao mutirão promovido por uma igreja evangélica, Nazaré, que é casada e tem um filho especial, não demorou muito para realizar o sonho de construir a casa própria em alvenaria. "Eu não teria condições de fazer tudo isso sozinha. Por isso acredito nesse programa e agradeço ao governo por ter me ajudado, porque agora vou poder dar mais conforto à minha família, em especial ao meu filho", finalizou.

Texto e fotos : Rosa Borges

Noventa e cinco famílias dos municípios de Castanhal(Apeú), São Francisco do Pará, Nova Timboteua e Igarapé-Açu participaram nesta segunda-feira, 08, da segunda entrega do Programa Cheque Moradia, programa habitacional coordenado pela Companhia de Habitação do Pará - Cohab.

As famílias foram selecionadas por residirem ao longo da faixa de domínio de 30 metros das rodovias paraenses, em casas de madeira ou taipa (barro e madeira) que localizam-se ao longo da Rota Turística Belém-Bragança, projeto que promove o resgate do trecho por onde passava a estrada de ferro, que ligava Belém ao município de Bragança.

A primeira entrega do Cheque Moradia para a Rota Turística ocorreu em abril deste ano e contemplou 80 famílias dos municípios de Tracuateua, Bragança, Nova Timboteua e Peixe-Boi.

O evento de entrega desta segunda-feira aconteceu no Mercado Velho, na sede do município de Igarapé Açu, e contou com a presença do vice-governador, Zequinha Marinho, além de outras autoridades como o Secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki, do Secretário de Turismo, Adenauer Góes, e da prefeita do município de Igarapé Açu, Sandra Uesugi, da Diretora de Programa Especial de Moradia da Cohab, Ana Célia de Oliveira, assim como representantes de Assembléia Legislativa do Estado e de lideranças políticas dos municípios envolvidos no projeto.

Em seu pronunciamento, Zequinha Marinho ressaltou mais uma vez a importância do Programa Cheque Moradia, que já atendeu mais de 53 mil famílias ao longo dos 12 anos.

Terezinha de Jesus Santos foi uma das contempladas e é moradora da Vila de Apeu há 17 anos. Numa habitação de madeira ela vivia com o esposo, três filhos e três netos, mas foi necessário que parte da família fosse morar em uma casa alugada, pois o imóvel apresentava risco desabamento. "Eu tinha muita esperança de conseguir, nunca tive dúvidas, pois sou uma pessoa muito otimista. Acho o programa maravilhoso, principalmente para famílias que não têm condições financeiras como a nossa", declarou. "Durante a cerimônia me deu vontade de pular e chorar de tanta alegria", revelou a dona de casa, que sobrevive do recurso de Bolsa Família dos filhos menores e da pensão de seu primeiro marido.

Edinaldo Alves da Silva, sobrevive da agricultura familiar e é morador da comunidade 2º Caripi, em Igarapé Açu. Ele foi escolhido para fazer o agradecimento em nome das famílias beneficiadas. Além de agradecer a possibilidade de ter uma nova moradia, ele destacou a importância do asfalto para sua comunidade, que sofria com a poeira. "Nunca pensei que as coisas pudessem melhorar tanto depois do asfalto, ainda mais com o Cheque Moradia. É um sonho realizado", reforçou.

Na oportunidade, a Secretaria de Estado de Turismo fez ainda a entrega de kits de Informática para as Secretarias de Turismo de Castanhal, São Francisco e Igarapé-Açú.

A nova rota turística e cultural Belém-Bragança, que parte de Belém pela rodovia BR-316, é um programa de Estado que tem como objetivo o desenvolvimento econômico da região, a partir de uma estratégia, na qual o fluxo que passa pela BR-316 possa ser desviado para os atrativos dos municípios, através da sinalização turística, melhoria da habitação, promoção e divulgação da rota, além de informações disponibilizadas a partir de aplicativos móveis, que servirão para estimular e motivar as pessoas a conhecerem o trecho abrangendo os municípios de Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Isabel, Castanhal, São Francisco do Pará, Igarapé-Açu, Nova Timboteua, Tracuateua, Peixe-Boi e Bragança.

 Rosa Borges

A Comunidade do Cubatão é uma das ocupações irregulares que foram inseridas nos Projetos do PAC, beneficiadas com obras de habitação e infra estrutura, no Distrito de Icoaraci. Levantamentos da Companhia de Habitação dão conta de que mais de 300 famílias residiriam nessa área de palafitas, algumas com risco de desabamento. A situação precária das moradias fez com que a Cohab, em parceria com o Ministério Público, promovesse ações para a retirada dessas famílias da área. Cerca de 100 famílias da Comunidade Cubatão foram remanejadas e hoje dispõe de moradia com qualidade de vida.

É o caso de Fátima Terezinha de Jesus Lima de Souza, 60 anos, que morou na comunidade Cubatão durante 26 anos. Ela não se continha de tanta alegria ao receber as chaves de seu apartamento em abril passado. “Eu tô feliz porque vou morar agora numa casa de alvenaria. A minha casa era de madeira, com remendos de papelão. Agradeço a Deus e ao Governo do Estado. Espero que as outras famílias do Cubatão tenham também essa oportunidade que estou tendo”, declarou naquela oportunidade.

Segundo a Cohab, o projeto Taboquinha encontra-se com mais de 61% de serviços executados, entre obras de habitação e melhorias habitacionais, de infraestrutura urbana de pavimentação, drenagem pluvial, esgoto sanitário, rede de distribuição de energia elétrica, rede de abastecimento de água, além da construção de diques e pontes, como a Ponte do Cruzeiro, uma praça e um espaço comunitário.

Das 978 unidades habitacionais previstas, 522 já foram entregues e mais um bloco de apartamentos será concluído no início de julho deste ano. As famílias que já receberam suas unidades e as que ainda serão beneficiadas, são definidas e validadas pelo Ministério Público e pela CAO – Comissão de Acompanhamento de Obras, formada por moradores e eleita pela própria comunidade para acompanhar o passo a passo do Projeto.

A Cohab está presente na comunidade com engenheiros e assistentes sociais levando todas as opções possíveis para resolver a situação, seguindo orientações do Ministério Público e trabalhando em parceria direta com a CAO, realizando consultas públicas sobre todas essas possibilidades.

Silvana Araújo, membro da CAO, destaca o papel da comissão, que fundamentalmente visa o bem coletivo de uma população carente. "Eu participo da CAO para fiscalizar e fiz questão de fazer parte desse grupo para lutar pela qualidade de vida dessa comunidade. O nosso trabalho é voluntário, não recebemos nenhuma remuneração, mas defendemos arduamente as pessoas que moram no Cubatão. A gente quer que a Cohab olhe para essas famílias e tire todas de lá. Nós somos cobrados e muitas vezes criticados, mas isso não nos deixa abatidos, porque os que hoje criticam, já participaram da comissão e não fizeram o que era pra ser feito", afirmou.

Em 2010, o Ministério Público e o Governo assinaram um TAC definindo que os primeiros blocos de unidades habitacionais seriam destinados às famílias consideradas interferência de frente de obras e que apenas 15% do total das entregas das unidades habitacionais seriam destinadas as famílias da comunidade do Cubatão, que ocupam as margens do igarapé Tabocão. Apesar do acordo, a Cohab promoveu durante a entrega dos 44 apartamentos entregues em abril deste ano, o remanejamento de mais de trinta famílias do Cubatão . Isso reafirma o compromisso de tirar essa população de uma área que posteriormente será transformada em um projeto de proteção ambiental.

Em março deste ano, durante visita feita na área do Cubatão por uma comissão institucional formada pelo Ministério Público Estadual, Assembleia Legislativa do Estado, por meio de sua da Comissão de Justiça e Direitos Humanos, Cohab e comunidade, foi constatada a necessidade de retirada das famílias em situação de risco, quando se definiu que a solução imediata seria o aluguel social.

Nesse sentido, um termo de ajustamento de conduta (TAC) está sendo elaborado pelo Ministério Público, em parceria com todos os envolvidos, que vai determinar e orientar sobre a condução da questão.

 Rosa Borges

 Arquivo Cohab

A Cohab concluiu nesta sexta-feira, 29, as exposições de orientação aos 1.200 beneficiados que receberam o Cheque Moradia na semana passada, em Belém. As palestras de orientação ocorreram nos turnos da manhã e tarde, na sede da Cohab, com turmas dividias pelas iniciais dos nomes dos beneficiados.A reunião serve para esclarecer todos os procedimentos de utilização do benefício habitacional, já que no dia da entrega não é possível fazer uma explicação mais detalhada. Esse esclarecimentos são fundamentais para que o beneficiário para não seja vítima de golpes.

No momento da orientação, de forma bem didática, a equipe de engenharia da Cohab responde os questionamento e tira todas as dúvidas dos beneficiados, que podem a qualquer momento procurar a equipe do Programa para novos esclarecimentos.

Essa mesma equipe, responsável pelas vistorias das obras realizadas por meio do Programa Cheque Moradia, reforça que é necessário, antes da compra do material de construção, fazer uma pesquisa de preços e não aceitar a cobrança de ágio.

Abaixo, observe as demais orientações, necessárias ao bom uso do benefício:
- O benefício é utilizado somente para a compra de materiais de construção;
- O Cheque Moradia é intransferível. Cada usuário administra o seu talonário e é livre para comprar onde lhe convier ;
- Fazer uma pesquisa de preços antes de comprar o material de construção e não aceitar nenhum tipo de negociação com o fornecedor, como por exemplo, troca de cheque por fornecimento de mão de obra;
- A cobrança de ágio na compra do material de construção é ilegal. Deve-se denunciar essa prática ao PROCON ;
- Guardar o talonário de Cheques até o momento de sua utilização, assinando-o somente no momento da aquisição do material. Em hipótese nenhuma deixar o cheque assinado com o fornecedor para entrega de material com 30, 60 ou 90 dias. O fornecedor precisa ter disponibilidade de estoque de material;
- Obedecer ao prazo de validade do Cheque Moradia para compra do material de construção, que é de 120 dias (4 meses);
- Fazer a construção da obra no endereço previamente informado no ato da inscrição, sob pena de ter o benefício cancelado;
- Iniciar a construção seguindo o projeto fornecido pela COHAB, elevando a alvenaria de todos os cômodos com a percinta (atracação) concretada, até o ponto da cobertura;
- Na modalidade Nova / Construção, adquirir com o recurso da 1ª etapa somente materiais básicos (obra bruta), tais como: cimento, areia, tijolos;
- Para pavimento superior em laje, o usuário deverá licenciar a obra com Alvará e ART(Assinatura de Responsabilidade Técnica), emitidos pelo CREA(Conselho Regional de Engenharia e Agronomia);
- Realizar a prestação de contas, levando até à COHAB as notas fiscais, emitidas pelo fornecedor, somente após a utilização de todo o recurso da 1ª etapa;
-Solicitar orientação da Equipe Técnica da COHAB sempre que houver dúvidas quanto à utilização do benefício.

 Rosa Borges

 Alexandre Macêdo

A Companhia de Habitação do Pará (Cohab) encerrou na tarde desta segunda-feira (18) a entrega de Cheques Moradia para 1.250 famílias de baixa renda e em situação de vulnerabilidade social. A grande entrega teve início na última quinta-feira (14), com cerimônia festiva, na sede da companhia, presidida pelo vice-governador do Estado, Zequinha Marinho. Na sexta-feira (15), a Cohab contemplou 500 famílias com o benefício habitacional, e nesta segunda-feira, mais 500.

As famílias contempladas são oriundas dos municípios de Belém (incluindo Outeiro, Mosqueiro, Santa Bárbara do Pará e Cotijuba), Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Isabel do Pará, Vigia, Abaetetuba, Barcarena e São Miguel do Guamá. Entre as beneficiadas, está Rosângela de Fátima Campos Pereira, 57 anos, que comemorou a possibilidade de poder agora melhorar a moradia, no bairro Sideral.

"Minha casa é de madeira, mas está numa situação precária. Quando chove, alaga tudo. É só um compartimento, onde moro com meu filho, que está desempregado. Tenho tuberculose, o que me impossibilita de trabalhar", informou. Ela foi à Cohab acompanhada da vizinha Márcia Tereza Macêdo, que mora numa casa de madeira com os dois filhos. As duas fazem parte do grupo de prioridades do programa habitacional, coordenado pela Cohab. São mulheres chefes de família e com doença grave. Elas receberam recursos para a construção de nova moradia, no valor de R$ 14,1 mil.

A Cohab fez uma seleção de famílias carentes, levando em conta não só a data de inscrição de cada uma, mas predominantemente a situação social e das moradias, destacando-se que, em inúmeros casos, há a necessidade urgente de atendimento, como é o caso da diarista Maria do Livramento Ribeiro, que também recebeu o Cheque Moradia na tarde desta segunda-feira. "Moro numa casa de madeira, coberta por lona. São dois cômodos, onde vivo com meus cinco filhos", detalhou.

Criado em 2003, o Cheque Moradia já beneficiou mais de 53 mil famílias paraenses. O recurso pode ser usado na compra de material de construção, melhoria ou ampliação da casa, reduzindo o déficit e a inadequação habitacional do Estado. No período de 21 a 29 deste mês, a Cohab fará a orientação dos beneficiados. Na oportunidade, eles receberão todos os esclarecimentos sobre o uso do benefício e tirarão dúvidas com a equipe técnica do programa.

 Rosa Borges

 Arquivo ASCOM/COHAB

A Cohab já está agilizando o processo de atendimento das famílias das 13 casas foram atingidas por um vendaval, ocorrido na tarde deste domingo, 17, destelhando várias delas.Uma equipe técnica da Cohab esteve na manhã de hoje(18), na travessa Timbó, no bairro da Pedreira, local da ocorrência.

A visita objetivou avaliar a situação de cada famílias prejudicada para saber se as mesmas se enquadram nos critérios para habilitação ao benefício do Programa Cheque Moradia, coordenado pela Companhia de Habitação do Estado do Pará.

Uma avaliação preliminar da equipe, dá conta de que das 13 casas atingidas(quase todas em madeira) 08 serão atendidas com o Cheque Moradia.
Duas dessas casas chegaram a desabar totalmente. A Defesa Civil também esteve nesta segunda-feira(18), no local.

 Rosa Borges

 Arquivo Cohab

A equipe do Programa Cheque Moradia, coordenado pela Cohab, esteve no Bairro do Guamá,na Travessa Castelo Branco, onde um incêndio atingiu cinco imóveis na última quarta-feira, 13. As chamas destruíram totalmente três casas de madeira, e atingiram parcialmente mais duas em alvenaria. A Defesa Civil esteve também no local para fazer o levantamento dos estragos causados.

A visita da equipe da Cohab objetivou fazer o levantamento da situação de moradias. Após a vistoria da equipe social e da engenharia, se definiu que o Cheque Moradia atenderá as famílias das casas de madeira, já que se enquadram nos critérios do programa habitacional e se encontram em extrema vulnerabilidade social.

Essas famílias foram orientadas a comparecer à sede da Companhia de Habitação, assim que a documentação deles for viabilizada pelos órgãos de assistência do município, para serem atendidos pelo Programa Habitacional do Governo do Estado. Os documentos de identificação foram perdidos no incêndio.

 Rosa Borges

 Alexandre Macêdo

O dia foi de festa e emoção para 257 famílias que receberam o benefício do Programa Cheque Moradia, do governo do Estado, nesta quinta-feira (14), em cerimônia na sede da Companhia de Habitação do Pará (Cohab). Até a próxima segunda-feira, 18, serão entregues 1,2 mil cheques a famílias de baixa renda em situação de vulnerabilidade social – pessoas com deficiência e idosos –, dos municípios de Belém (incluindo Outeiro, Mosqueiro, Santa Bárbara do Pará e Cotijuba), Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Isabel do Pará, Vigia, Abaetetuba, Barcarena e São Miguel do Guamá.

Criado em 2003, o Cheque Moradia já beneficiou mais de 53 mil famílias paraenses.O recurso pode ser usado na compra de material de construção, melhoria ou ampliação da casa, reduzindo o déficit e a inadequação habitacional do Estado. Durante a entrega, o vice-governador Zequinha Marinho lembrou o empenho do governo em transformar em lei esse sonho do povo paraense, que agora passa a ser um direito definitivo dos cidadãos de baixa renda. Ele parabenizou a todos os que trabalham no programa.

“Para que uma política pública possa se efetivar é necessário o esforço conjunto de várias pessoas. Apesar de todas as dificuldades enfrentadas ao longo dos três mandatos estaduais, o Cheque Moradia continua vivo. A evidência maior disso é a presença de todos vocês aqui, sendo beneficiados com esses valores que contribuem significativamente para melhorar a qualidade de vida e autoestima das famílias”, ressaltou o vice-governador.

Entre os beneficiados, um pai de família, que cria sozinho suas quatro filhas, não passou despercebido pela emoção. Alacid Batista procurou a Cohab num momento de necessidade, pois seria despejado do local onde morava. Como não tinha sequer um terreno, dificilmente teria acesso ao programa. Foi então que a aposentada Alice Pauxis, que estava na Cohab resolvendo um assunto pessoal, ao ouvir a história do vendedor de mingau, resolver doar um terreno em Mosqueiro para que ele pudesse se habilitar ao programa. “Apenas estou devolvendo o bem que fizeram ao meu pai quando eu tinha 12 anos e ficamos na mesma situação. Uma pessoa de bom coração nos doou um local para morar e isso marcou nossas vidas para sempre”, declarou.

Participaram da cerimônia os prefeitos de Belém, Zenaldo Coutinho, e de Ananindeua, Manoel Pioneiro, a deputada Cilene Couto, o chefe da Casa Civil, José Megale, e a presidente da Cohab, Lene Farinha, dentre outras autoridades. O evento contou ainda com a apresentação do grupo infantil da Fundação Carlos Gomes "Sementes do Choro", sob a coordenação do Professor Cizinho.

 Aurea Gomes - Vice Governadoria
 Eliseu Dias - Agência Pará

Pagina 1 de 14
/*